segunda-feira, 1 de junho de 2015

Regionalidade: quanto mais, melhor

Cabaceiras, na Paraiba: a riqueza da cultura regional está na paisagem, nos ofícios e tradições do artesanal.
O Design traça destinos e mapeia meus passos. Me desloco, descubro lugares e pessoas que formatam novos horizontes dentro do processo criativo. Na conexão com os laços de pertencimento apuro o olhar sobre o desenvolvimento de produtos e cada projeto ganha contornos que ultrapassam estética e função. Percorro, continuamente, rotas da regionalidade e me deparo com o fazer artesanal que guarda a essência da nossa formação social, de um patrimônio material e imaterial que contrasta com o tempo de inovação e novas tecnologias.

As estradas de barro e o curso dos rios me conduzem a universos particulares, com auras únicas. Transcendo urbanidades para abraçar a simplicidade congelada pelo tempo. Encontro outras arquiteturas, paisagens, realidades, personagens, tons de pele, representações simbólicas, ritos e sotaques. E sons, cheiros, sabores, costumes e matérias-primas do entorno. Penso como todos estes elementos podem ser parte do design que nasce no Estúdio e como cada peça pode armazenar códigos da identidade brasileira resultante da miscigenação. 

Aporto meus desejos nas previsões de Lidewij Edelkoort. A holandesa especializada em antecipar tendências mundiais e fundadora do bureau Trend Union assinala a necessidade de conter a massificação global que nega os regionalismos e sufoca as diferenças espaço-temporais. Estou às voltas com perguntas que me guiam a fazer do design elo de conexão com os laços identitários. Questões que me impulsionam a pensar na criação como porta para desvendar e apresentar os vários mundos que abrigamos dentro do mesmo país, com tradições e ofícios manuais que são ímpares.

Alimento o sonho de um dia tornar a Paraíba – que adotei como território de morada e inspiração - sinônimo de produtos feitos à mão de alta qualidade. Quero me cercar do artesanal e fazer dele linguagem de universos particulares. Atravesso fronteiras para mergulhar na regionalidade e “humanizar os processos”, como sugere Li EdelKoort. Anseio a parceria das comunidades artesãs para crescer junto à elas. Quero um sonho compartilhado. Não vou só.

[English Text]


Regionality: the more, the better

The Design makes destinations and maps my steps. Travel, discovering the places and people that formats new horizons within the creative process. In connection with the bonds of belonging, I sharp my eyes with the glance at product development and each project gets contours that go beyond aesthetics and function. I cross, continually, regional routes and I come across the crafts that guards the essence of our social training, a material and immaterial heritage, which contrasts with a time of innovation and new technologies.

The dirt roads and the course of the rivers leads to private universes, with unique auras. I transcend urbanities to embrace simplicity frozen in time. Find other architectures, landscapes, situations, characters, skin tones, symbolic representations, rites and accents. More, sounds, smells, tastes, customs and raw materials of the surroundings. I think how all these elements can be part of the design that is born in the Studio and how each piece can store codes of Brazilian identity arising from miscegenation.

I put my wishes in Lidewij Edelkoort forecasts. The Dutch woman specialized in anticipating world trends and the founder of Trend Union bureau, points out the needs to contain the global mass that denies the regionalism and smothers the spatial-temporal differences. I am turning around with questions that guide me to make the design, a connecting link with identity bonds. Questions that drive me thinking of creation as to unveil and present the various worlds that shelter in the same country. Traditions and manual crafts are unmatched.

I feed the dream of one day making the Paraíba – which I have adopted as my territory to address and inspiration - a synonym for handmade products of high quality. I want to surround myself with the handmade crafts and make it a private universes language. I cross borders to dive on regionality and "humanize the processes", as suggested by Li EdelKoort. I look forward to the partnership of communities artisans to grow along them. I want a shared dream. I am not going alone.
Barcelos, no Amazonas, é exemplo das porções regionais que integram a identidade brasileira. 
 As comunidades artesãs do Amazonas preservam saberes da regionalidade ligada aos povos da floresta.
O "feito à mão" humaniza o processo de produção e mantém o elo com o ancestral.
As tendências apontam para o artesanal como forma de conter a massificação global.
 "Atravesso fronteiras para mergulhar na regionalidade".

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Se desenha um novo tempo


Moda e Decoração abrem um novo leque de produtos no Estúdio, como o Colar Acaú. (Foto: Wellington Jan) 
O tempo ensina. Nos quatro anos desde a abertura oficial do Estúdio são muitas as lições. O aprendizado mapeado pelas viagens, as pesquisas de campo, o mergulho no mar de informações sobre as tradições e cultura desse Brasil sem fim. Nas páginas do apanhado de saberes também estão as trocas de experiências – genuínas - com as comunidades artesãs. Elas que abrigam verdadeiros tesouros herdados dos povos que são nossas raízes. Preciosidades que gerações ininterruptas mantêm na arte dos ofícios de tecer, tramar, amarrar, forjar, esculpir... Eles, os artesãos, em toda sabedoria e simplicidade, são meus maiores mestres.

Para essa trajetória que parece curta – porque passou em um piscar de olhos - há uma bagagem. Me debruço sobre ela para uma análise crítica de cada detalhe que pauta a minha criação. Me reencontro com as incertezas da profissão, com a vontade de fazer do design expressão identitária, com as premiações, com os erros e acertos que somam horas sem fim entre o cintilar de um novo projeto e sua execução. Nesse momento de avaliação o que me impulsiona é o desejo de fazer mais e melhor. É a exigência que sopra nos meus ouvidos que é necessário estabelecer metas, plantar desafios, sair da zona de conforto.

Desenho para o Estúdio Sergio J. Matos um novo tempo. Aquele feito de peças com a regionalidade que ainda não explorei e de técnicas artesanais que assinalam o luxo de serem únicas. Isso pauta a busca por novas parcerias e comunidades artesãs interessadas em integrar o projeto. Motivado por esse futuro que já começou, seleciono a matéria-prima de excelência que traduz resistência e qualidade e estendo o traço para um leque de peças de moda e decoração que cabem no cotidiano, no ir e vir ávido por memórias e laços de pertencimento. Quero estreitar distâncias com o consumidor final e disponibilizar com brevidade a loja virtual para a entrega de produtos em cada recanto do País e do mundo. A esse novo tempo que bate à porta dou boas-vindas. Pode passar.

[English Text]

Designing a new time

Time teaches. In the four years since the official opening of the Studio, there are many lessons. Learning filled with field research trips, diving in the sea of information on the traditions and culture of Brazil with no ending. In the pages of knowledge are also exchanges of genuine experience with communities’ artisans. They that harbor real treasure inherited from people who are our roots. Gems of uninterrupted generations that remains the art of weaving crafts, framing, tie, forging, sculpting... Those, the artisans, in all wisdom and simplicity, are my greatest masters.

For this trajectory that seems short – because it happened in a blink of an eye, and there is a luggage. I lie down on it for a critical analysis of each detail that tariff my creation. I find myself with the uncertainties of the profession, with the desire to make the expression of identity design, with the awards, from mistakes and successes that add up to hours without end, between the sparkle of a new project and its execution. At this time of the evaluation that propels me the desire to do more and better. Is the requirement that is blowing in my ears, and it is necessary to establish goals, planting challenges, leaving the comfort zone.

Designing for the Studio Sergio j. Matos a new time. That one made with regional parts not yet explored and artisanal techniques that highlight the luxury of being unique. This builds the search for new partnerships and community artisans, interested in joining the project. Motivated by this future that has already started, select the raw material of excellence, that reflects strength and quality, and extend the dash for a range of fashion and decoration parts that fit into daily life, then come and go to eager memories and bonds of belonging. Want to narrow distances with the final consumer and provide with brevity the Web store for the delivery of products in every corner of the country. This new time that knocks welcome. It shall pass.
Identidade é a palavra que continua marcando a essência dos produtos.
O "Novo Tempo" toma assento em novas parcerias com profissionais e comunidades artesãs.(Foto: R. Romero)
O rigor na matéria-prima de excelência vai traduzir a qualidade e durabilidade das peças assinadas pelo Estúdio.
Sergio J. Matos: "quero estreitar distâncias com o consumidor final ao abrir a loja virtual". (Foto: Daniele Nunes)

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Sob o céu de Milão


Estrutura do Rho Fiera Milano, onde acontece o Salão Internacional do Móvel de Milão.
A Itália tem uma atmosfera única que envolve o Design. Nesta semana em que o mundo inteiro tem os olhos voltados para o Salão Internacional do Móvel de Milão, o nome do Brasil faz parte do burburinho, ocupa espaços generosos em destacadas exposições e estampa notícias na mídia especializada. Como me sinto? Agraciado. Não dá para deixar passar despercebida a emoção de fazer parte de uma leva de brasileiros que desenha o nome do design contemporâneo do país aguçando a curiosidade, traduzindo identidade, despertando o respeito e talhando reconhecimento.

Chegar até aqui - berço do Design - é uma caminhada árdua e muito ainda há por conquistar, passo a passo. No entanto, ter o privilégio de estar entre nomes que já saboreiam o prestígio internacional é como um presente. Principalmente quando conto nos dedos (com um orgulho danado!) a carreira profissional de apenas quatro anos desde a abertura do estúdio. Participar a um só tempo da MADE, no Palazzo de Litta e da BRAZIL S/A na simbólica Università degli Studi Di Milano, além de assinar a cenografia para a mostra dos Jovens Designers, é uma celebração. É a coroação do trabalho construído no dia a dia; dos projetos semeados pelo Brasil afora; nas consultorias que pouco a pouco me levam a compartilhar saberes e adquirir conhecimentos valiosos para toda vida.

Essa efervescência do design brasileiro marca um novo ciclo. O da produção com um DNA que encadeia referências do entorno e mapeia quem realmente somos. Dispomos do caldeirão da miscigenação que nutre a criatividade. Mistura de raças, tons de pele, dialetos e expressões que dão o ponto da fervura conceitual. Uma fusão perfeita e harmoniosa onde sobram tradições ancestrais perpetuadas por gerações que escrevem nossa formação social. A isso soma-se a matéria-prima farta que legitima pertencimento e que nas mãos dos artesãos extravasam sensibilidade. Neste momento de alegria torço para que nosso design se fortaleça e aos olhos do mundo seja reconhecido no primeiro olhar. Sob o céu de Milão há um traço de futuro. Bem promissor.

[English Text]

Under the sky of Milan

The Italy has a unique atmosphere that surrounds the Design. This week in which the whole world has its eyes looking at the Salone Del Mobile in Milan, the name of Brazil is part of the buzz, occupies generous spaces in highlighted shows and exhibition news on specialized media. How do I feel? Blessed. You can't let pass unnoticed the thrill of being part of a group of Brazilians who carries the name of the country's contemporary design, sharpening curiosity, translating identity, arousing respect and building recognition.

To get here - homeland of Design – is an arduous path, and there is still to be conquered, step-by-step. However, to have the privilege to be among names that already enjoying international prestige is like a gift. Especially when I count on my fingers (with huge pride!) my professional career of only four years since the opening of the Studio. Joining at the same time, with MADE, Palazzo Litta and BRAZIL S/A in the symbolic Università degli Studi Di Milano, in addition to signing the scenography for the show of Jovens Designers, is a celebration. Is the coronation of the work built on a daily basis; of projects seeded throughout Brazil; the consultancies that gradually lead me to share knowledge and gain valuable skills for a lifetime. 

This effervescence of Brazilian design marks a new cycle. The production with a DNA chain surrounding references and maps of who we really are. We have the cauldron of miscegenation that nourishes creativity. Melting a pot of races, skin tones, dialects and expressions that give the conceptual boiling point. A perfect and harmonious fusion where there are ancient traditions that have been perpetuated for generations who write our social formation. That sum up the abundant raw material that legitimizes the belonging and that in the hands of the artisans are running high sensitivity. In this moment of joy, I do hope our design grows stronger and goes ahead in the eyes of the world to be recognized at first glance. Under the sky of Milan, there is a dash of the future. Very promising.

Na MADE, no Palazzo Litta, expondo a Poltrona Acaú.
A trama artesanal da Cadeira Chita compõe a exposição BRAZIL S/A.
   Cenografia desenvolvida para a mostra do Projeto Jovens Designers, na Semana de Milão.
Destaque da Cadeira Chita em publicação pela revista italiana INTERNI.
"Exótica": esta foi a denominação concedida à Cadeira Chita pelo CORRIERE DELLA SERA, principal jornal italiano.


terça-feira, 31 de março de 2015

A semente do design germina

Detalhe de um dos produtos idealizados pela consultoria com fibra de piaçava.
O design é semente. Dentro dessa metáfora, as comunidades indígenas e ribeirinhas do Amazonas são o solo fértil arado pela cultura dos saberes ancestrais e capaz de fazer germinar sonhos. A consultoria do Estúdio Sérgio J. Matos ao Projeto Brasil Original – iniciativa célebre do Sebrae Amazonas -  chega à etapa de execução dos produtos nos municípios de São Gabriel da Cachoeira, Barcelos e Tefé e os primeiros resultados de dias intensos de trabalho estabelecem o sentimento de dever cumprido. A satisfação tem sabor de colheita antecipada que reafirma o quanto sou grato à profissão que exerço quando ela é ferramenta que esboça formas para frutos transformadores.

Meu entusiasmo se espraia nesse Brasil Original cercado pelas águas dos rios e o verde das florestas. Lugares de uma energia e riqueza que só quem pisa o chão e estende o olhar sobre o entorno é capaz de decifrar a leva de emoções. Acima da paisagem, a beleza maior é a generosidade dos que habitam essa porção do país ainda não descoberta por milhões de brasileiros. Aqui se olha de frente, o cumprimento é respeitoso e o sorriso é largo porque vem da alma. Eu, no papel de consultor, me sinto agradecido e honrado pelo farto conhecimento adquirido junto às comunidades. Aprendi mais que ensinei. Nos silêncios, nos ritos cotidianos, nas escolhas, na trama das fibras por entre os dedos e nos gestos simples que dão verdadeiro sentido à vida. 

A consultoria de design com o objetivo de fortalecer a vocação artesanal faz florescer a ideia de novos rumos para as populações indígenas e ribeirinhas. Abre rotas de criatividade, alarga caminhos que levam à autoestima e à valorização do feito à mão. Resgata, também, o orgulho das raízes ancestrais presentes na cultura e exibidas na cor da pele e no som dos dialetos que resistem ao tempo. A semeadura do design carregado de identidade impulsiona o germinar de novos dias para homens e mulheres de fibra que cultivam arte. O tempo da colheita se acerca e já estou em festa.  

[English Text]

The Design seed germinates

The design is a seed. In this metaphor, the indigenous communities and the Amazon Riverside are the fertile soil, plow by the culture of ancient knowledge and capable of germinate dreams. The consulting of Studio Sergio J. Matos to the Original Brazil Project – great initiative of Sebrae Amazonas - arrives at the stage of execution of the products in the municipalities of São Gabriel da Cachoeira, Barcelos and Tefé and the first results of intense days of work establishes a sense of accomplishment. The satisfaction tastes like the early harvest that reaffirms how grateful I am in the profession that I practice when it is a tool that outlines ways of transformation.

My enthusiasm that spans Original Brazil surrounded by the waters of the rivers and the green of the forests. Places of power and wealth that only those who step on the floor and extends the look about the surroundings is able to decipher the wave of emotions. Above the landscape, the greatest beauty is the generosity of those who inhabited this part of the country still undiscovered for millions of Brazilians. Here, you look forward, the handshake is respectful and the smile is broad because it comes from the soul. I, in the role of a consultant, I feel grateful and honored by the huge knowledge learned with the communities. I learned more than I taught. In silence, in the daily rites and choices, in the plot of the fibers between our fingers and the simple gestures that gives true meaning to life.

The design consultancy with the objective to strengthen the handmade vocation that makes flourish the idea of new directions for the indigenous and riverine. Open routes of creativity, extends paths that lead to self-esteem and appreciation of the handmade. Rescues, also, the pride of ancestral roots, present on culture and displayed in skin color and the sound of dialects that resists times. The seeding of design loaded of identity boosts the germination of new days for men and women who grow fiber art. The harvest time is coming and I am already in a holiday mood.
Oficina de design dirigida às artesãs da comunidade São João do Ipecassu, na Reserva Amanã.
Nas mãos hábeis da artesã Alba a piaçava é transformada em arte.
 
A fibra da piaçava é matéria-prima para os produtos desenvovlidos com os artesãos de Barcelos.

Pontos de apoio da Reserva Mamirauá servem de base para as oficinas do projeto.  
A comunidade São José, no Rio Coraci, está no curso do projeto Brasil Original do Amazonas.
Design e artesanato resgatam a cultura ancestral para gerações futuras simbolizadas pela pequena Andrea.   

quinta-feira, 5 de março de 2015

A cultura e a natureza majestosa inspiram

A Vitória-régia inspira produtos do Projeto Brasil Original nas comunidades artesãs de Barcelos/AM. 
A natureza majestosa somada à cultura ímpar das comunidades indígenas e ribeirinhas. Essa fusão de referências perfeitas nutrem o Projeto Brasil Original embasado no artesanato e suas tramas de tradição, memória e ancestralidade. A ação do Sebrae Amazonas com consultoria do Estúdio Sérgio J. Matos chega à segunda etapa e no curso das águas do Alto Rio Negro vai agora ancorar em Barcelos. A cidade que foi a primeira capital do Estado e mantém sua importância de polo econômico e estratégico na região guarda belezas singulares de um patrimônio material e imaterial surpreendente. A rica experiência em São Gabriel da Cachoeira – na fase anterior - só aguça a expectativa de vivenciar novos dias de imersão em saberes e fazeres revestidos de ritos que resistem ao tempo.

Vou a Barcelos com o desejo da troca de conhecimentos, de aprender mais e mais com os povos da floresta, de me fartar com a cultura de gerações que pontuam a nossa própria história. É como mergulhar nas raízes da formação social do Brasil, onde ainda é possível se encantar com os sons dos dialetos, as pinturas tribais cheias de significados e as lendas que habitam a imensidão das matas, os leitos dos rios e os igarapés. Sorvo estas referências e traço o conceito de novos produtos que compõem o projeto idealizado para enaltecer sustentabilidade e promover a inserção do design inovador em harmonia com a identidade regional. 

Em meio a atmosfera suntuosa escolhi e colhi como inspiração a Vitória-régia, planta icônica da Amazônia que flutua sobre as águas e embala mitos de poesia, beleza e paixão. A imponência da folha e o exotismo da flor reservam surpresas que brotarão nas mãos dos artesãos. As mesmas mãos acostumadas às tramas de desenhos gráficos que também assinalam a criação dos objetos que aliam beleza e função. Pela riqueza artesanal e os valores simbólicos almejo que traduzam a majestade do lugar e sua gente. 

[English Text]

The culture and the majestic nature inspires us
The majestic nature combined with the unique culture of indigenous and riveside communities. This fusion of perfect references nourish Brazil Original Project grounded in the craft and its tradition of frames, memory and ancestry. The action of Sebrae Amazonas with consultancy of Studio Sergio J. Matos reaches the second stage and in the course of the Upper Negro River water will now anchor in Barcelos. The city was the first capital of the state and keeps its importance for economic and strategic hub in the region guard natural beauties of a material heritage and amazing immaterial. The rich experience in São Gabriel da Cachoeira - in previous days - only sharpens the expectation of experiencing new days of immersion in knowledge and practices filled with rites that resist time.
I go to Barcelos with the desire for knowledge exchange, to learn more and more with the forest people, gorging myself with the culture of generations that punctuate our own history. It's like diving into the roots of the social formation of Brazil, where it is still possible to be enchanted by the sounds of dialects, tribal paintings with meanings and the legends that inhabit the immensity of the woods, the river beds and streams.I sip these references and trace the concept of new products that composes the project designed to enhance sustainability and promote the integration of innovative design in harmony with the regional identity.
Between the sumptuous atmosphere I chosen and harvest as inspiration the Vitoria-regia, iconic plant from the Amazon floating on the water and packs of myths poetry, beauty and passion. The magnificence of the leaf and exoticism of,the reserves surprises that springs up in the hands of artisans. The same hands accustomed to weave graphic drawings that also mark the creation of objects that combine beauty and function. By artisanal wealthy and symbolic values, I want them to reflec the majesty of the place and its people.
Os desenhos gráficos são uma marca do artesanato local e referenciam a criação de novos objetos.
Às margens do Rio Negro Barcelos é uma das cidades mais importantes do Amazonas. 


sábado, 14 de fevereiro de 2015

Cenografia: uma rota para os Jovens Designers

A cenografia da 5ª Mostra Jovens Designers foi descortinada com a abertura do evento (no dia 12 de fevereiro) no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo. O projeto concebido pelo Estúdio Sérgio J. Matos é, conceitualmente, uma rota de visualização à produção realizada por estudantes de Design de todo o Brasil. A inspiração ancorada nos caminhos de madeira que conectam as palafitas – habitações erguidas em locais alagadiços - reproduz em 150 metros quadrados de área meu olhar particular desse recorte do real. Além disso, oferta a experiência imaginária do caminhar entre as casas suspensas presentes nas periferias de cidades brasileiras como Belém, Salvador, Recife e Manaus. Os passadiços de tábuas sobre estacas - que desenham um certo caos urbano para garantir acesso e mobilidade à população - estabelecem a ideia central da ambientação. Na atmosfera simbólica, expõe leveza e harmonia. Sensações que estão na placidez dominante do branco, na iluminação, no jogo de luz e sombras e nas soluções com materiais simples.

Pequenos blocos de concreto são os suportes que mantêm de pé 1000 cabos de vassouras com extensão de três metros. Lado a lado eles criam divisórias vazadas numa alusão às estacas de sustentação para os caminhos das palafitas. Geram, também, efeito de cortina entre os módulos de MDF que abrigam os produtos em exposição e convidam a descobrir o que está por detrás do emaranhado de madeira. Aos meus olhos o resultado é acolhedor, com uma carga reflexiva sobre o que a vista não alcança fora da zona de conforto, do cotidiano com caminhos bem traçados.

Desse projeto desafiador faço um rol de gratidão: à Marici e Andressa da Origens Produções pela confiança de tamanha tarefa; à equipe que integra o Estúdio (Rennan, Diogo e Suelly); aos amigos que dão uma mão e o coração nas horas mais extremas (Denise, Agenor, Ísis e Roberto) e a parceria da designer Camila Carol nas incontáveis horas de trabalho. É preciso recordar que antes de ser a cenografia real e palpável, ela foi ideia, lampejo, rabisco no papel, esboço na tela do computador. Antes de deixar o status de quebra-cabeças a ser montado, foi uma série de caixas recheadas com as partes que seriam o todo. Cada um deixou um rastro nesses caminhos de madeira para que os visitantes da mostra passem por eles e contemplem inovação e criatividade. 

[English Text]

Scenography: a route to the Young Designers

The scenograpfy of the 5th Young Designers Show was started with the opening ceremony in the Brazilian House Museum in Sao Paulo. The project designed by Studio Sergio J. Matos is a conceptually  viewing route to production by Design students from all over Brazil. The inspiration anchored in a wooden walkway connecting the stilts - dwellings erected in flooded areas - plays in 150 square meters my particular look that composes it. Besides, it offers the imaginary experience of walking between the suspended present homes in the Brazilian peripheries of cities as Belém, Salvador, Recife and Manaus. Gangways boards on stilts - drawing a certain urban chaos to ensure access and mobility for the population - establish the central idea of ​​the ambiance. In the symbolic atmosphere, exposes lightness and harmony. Sensations that are dominant in the placid white, lighting, the play of light and shadows and solutions with simple materials.
Small concrete blocks are the brackets that hold up in 1000 broom handles with extension of three meters. Side by side they create castings divisions alluding to support piles for the paths of stilts. It also generate a curtain effect between MDF modules that houses the products on display and invite you to discover what is behind the wooden maze. In my eyes the result is cozy with a reflective burden on the view does not reach outside the comfort zone of everyday life with well drawn paths.
This challenging project make a gratitude list: to Marici and Andressa of Origens Productions for the confidence of such task; the team who integrates the Studio (Rennan, Diogo and Suelly); the friends who give a hand and heart in the most extreme hours (Denise, Agenor, Isis and Roberto) and the partnership with the designer Camila Carol with countless hours of work. We must remember that before the real and palpable scenery, it was the idea, flash, scribble on paper, sketch on the computer screen. Before leaving the status of puzzles to be assembled, it was a series of boxes stuffed with the parts that would be all. Each one left a trail on such wood avenues for showing visitors to pass through them and contemplate innovation and creativity.






Os caminhos de madeira das palafitas são a inspiração da cenografia. (Foto: reprodução)

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Pelos caminhos da cenografia

O Museu da Casa Brasileira abriga a 5ª Mostra Jovens Designers, com cenografia do Estúdio Sérgio J. Matos.
A cenografia também ocupa minha mesa de projetos habitualmente preenchida pelos desenhos de produtos. Me leva a desbravar caminhos. Os da memória, da história que resiste ao tempo, das comunidades artesãs e outros de realidades longínquas espalhadas por esse Brasil afora. É desafiador conceber um espaço cênico revestido da atmosfera que envolve o evento e seu público cheio de expectativas. Partir de uma ideia, traçar formas, optar por cores, texturas e iluminação exige o olhar apurado para o todo sem perder de vista os mínimos detalhes atrelados às emoções e sensações. É, também, um exercício de se colocar no lugar do espectador (uma, outra vez e quantas sejam necessárias) para experimentar questionamentos, impactos, simbologias e perspectivas.

O projeto cenográfico conta uma história. Me debruço agora sobre a montagem da narrativa que embala a realização da 5ª Mostra Jovens Designers. O evento com abertura na capital paulista no dia 12 de fevereiro, no Museu da Casa Brasileira (MCB), também será levado à cidade de Florianópolis (Santa Catarina) e Milão, Itália. Nesta edição, a cenografia da exposição itinerante que estimula a formação de novos talentos vai guiar o público, conceitualmente, pelos caminhos de madeira das palafitas. Aqueles de tábuas, como pequenas pontes que conectam as habitações erguidas em áreas alagadiças e que são comuns em municípios brasileiros a exemplo de Manaus, Belém e Salvador. Na vida real, caminhos de mobilidade arquitetados pelos moradores das comunidades para sanar o direito de ir e vir. Na cenografia, um trajeto simbólico que conduz à produção de estudantes de design de todo o país. De momento, uma rota de segredos e surpresas.

[English Text]

By the paths of cenografy

The cenography also occupy my table of projects habitual filled of design of products. Makes me goes on paths. Of memory, of history that resists time, the artisans communities and other distant realities spread this all over Brazil. It is challenging to design a scenic area coated the environment surrounding the event and your audience full of expectations. From an idea, drawing shapes, choosing colors, textures and lighting requires sharp eye for all without losing sight of the smallest details linked to emotions and sensations. It is also an exercise to put in place the viewer (once, or more as necessary) to experience questions, impacts, symbols and perspectives. The scene project tells a story.

I lean over now how to mount the narrative that packs the performance of the 5th Young Designers Show. The event started in São Paulo on 12 February, at the Museu da Casa Brasileira (MCB), and will also be taken to the city of Florianópolis (Santa Catarina) and Milan, Italy. In this edition, the setting of the traveling exhibition that stimulates the formation of new talent will guide the public, conceptually, the wooden walkway of stilts. Those tablets like small bridges that connect the houses built in wetlands, which are common in Brazilian cities, example of Manaus, Belem and Salvador. In real life, mobility paths architected by community residents to remedy the right to come and go. The scene project is a symbolic path leading to the production of the whole country of design students. At the moment, a route of secrets and surprises.
Montagem da cenografia inspirada nos caminhos de madeira que conectam as palafitas.
A concepção do projeto estabelece uma rota de surpresas aos visitantes da mostra.
      A exposição é uma vitrine para os novos talentos do design brasileiro.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Design na Paralela, sob a arquitetura do MuBE

Trama artesanal do Pufe Carambola.
Malas prontas outra vez. O Design traça linhas a seguir e embarco nelas com o desejo de fortalecer a imagem do Estúdio Sérgio Matos no mercado brasileiro e além das fronteiras nacionais. Vou à Paralela Móvel, feira de negócios sublinhada por palavras como inovação, tendência e sustentabilidade. A arquitetura moderna do MuBe – Museu Brasileiro da Escultura, na capital paulista, é o cenário para o evento que acontece entre os dias 2 e 5 de fevereiro. Sob a viga perpendicular do edifício projetado por Paulo Mendes da Rocha, a Paralela chega à quinta edição com o fôlego de espaço de integração entre estúdios de criação, arquitetos e lojistas. Uma vitrine que chancela o trabalho autoral, o lançamento de novos materiais, a produção sustentável e a visibilidade do design brasileiro aos olhos de quem antes só enxergava a produção de nomes estrangeiros.

Na bagagem levo peças que têm a assinatura singular do Estúdio pelas tramas têxteis de confecção artesanal. Estão carregadas de referências culturais e tradições ancestrais que aninham vínculos de pertencimento. Um diálogo do design funcional e de estética atraente capaz de fazer desatar emoções e sentimentos. O Sofá Caçuá, a Poltrona Balão, produtos da coleção Chita (cadeira e luminária), a Poltrona Arreio, o Pufe Carambola, a Fruteira Marakatu e objetos da coleção Grades do Recife. Produtos para o público tocar e conhecer de perto as imersões culturais materializadas em formas, detalhes e amarrações que atam recortes da história. Um paralelo da nossa identidade.  

[English Text]

Design at Paralela, under architecture of MuBE 

Bags packed again. The Design goes on following lines and I embark on them with the desire to strengthen the image of Studio Sergio Matos in the Brazilian market and across national borders. Go to Paralela Móvel (Parallel Furniture), a business fair underlined by words such as innovation, trend and sustainability. The modern architecture of MuBE - Brazilian Museum of Sculpture in São Paulo, is the setting for the event that takes place between the 2nd and 5th of February. Under the perpendicular column of the building designed by Paulo Mendes da Rocha, Parallel reaches the fifth edition with the breath of space integration between creation studios, architects and shopkeepers. A showcase that seal the original work, the launch of new materials, sustainable production and visibility of Brazilian design in the eyes of those who previously saw only the production of foreign names.

In the bag, I take pieces that have the unique signature of Studio by textile weaving and design making. Loaded with cultural references and traditions which belongs to them. A functional design dialogue and attractive aesthetics able to unleash emotions and feelings. The Sofa Caçuá, the Balloon armchair, products of Chita collection (chair and lamp), the Harness armchair, the Carambola pouf, the Marakatu Fruit Bowl and objects of Recife Grills collection. Products for public play and get to know the cultural immersions materialized in forms, details and moorings knotting clippings of the story. A parallel of our identity.
Detalhe da Luminária Chita, inspirada no tecido que veste a cultura popular.
Vaso da coleção Grades do Recife.
Exotismo no design da Poltrona Acaú, com inspiração nos corais do litoral da Paraíba.
Cadeira Chita: desenho de amarração que ata memória e tradição.  
A arquitetura moderna do MuBE vai abrigar a Paralela Móvel.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Identidade na trama do Projeto Brasil Original


Identidade. A palavra traduz os primeiros frutos do projeto Artesanato Brasil Original, realizado em São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas. A iniciativa do Sebrae/AM, com consultoria do Estúdio Sérgio J. Matos, resulta em peças que exaltam a essência da cultura indígena que se faz forte e presente na formação social da cidade e no cotidiano da comunidade de artesãos. As fibras, a paleta de cores obtidas com tingimento natural, as tramas que entrelaçam saberes de gerações imersas no coração da floresta e seu pulsar.
  
Há mais que formas e texturas que definem vasos, luminárias e fruteiras. Os produtos com inspirações colhidas do entorno - como a folha de Uambé – carregam valores simbólicos e extravasam sentimentos. Contêm o calor das mãos de quem as executou; as histórias que tecem o fazer artesanal; o olhar atento; as expectativas e sonhos que atam um esboço de futuro a partir da fusão do artesanato com o design. Sou grato pela experiência, pela troca de conhecimento, pelo aprendizado de palavras em Nheengatu (língua nativa), pelas horas de trabalho compartilhadas ao lado de pessoas tão especiais e generosas.

Ao deter-me diante de cada objeto penso que a fibra de Tucum adotada como matéria-prima tem a tenacidade e resistência de Gilda, Margarida, Suzana, Albertina, Maria de Jesus, Roberta, Elizabete, Maria Taurina, Geuza, Estela, Maria das Dores, José Garcia e Duda. São os artesãos de um Brasil original. Eles que às margens do Rio Negro mantêm vivas suas tradições e ancestralidade e compartilham essa riqueza em produtos ímpares, com o selo da identidade que desperta a atenção dos quatro cantos do mundo. Tenho orgulho de integrar um pedaço dessa história.

[English Text]

Identity in weaving of Brazil Original Project

Identity. The word translates the first fruits of the project Artesanato Brazil Original, at São Gabriel da Cachoeira, at the Amazon. The initiative of the Sebrae / AM, with consultancy of Studio Sergio J. Matos, results in pieces that exalt the essence of Indian culture that makes it strong and present in the social formation of the city and in everyday artisans community. The fibers, the palette of colors obtained with natural dyes, the plots that intertwine knowledge of generations immersed in the heart of the forest and its pulse.

There are more than shapes and textures that defines vases, lamps and fruit bowls. Products with surrounding inspirations - like a sheet of Uambé - carry symbolic values ​​that transcend feelings. Contain the warm hands of those who made them; the stories that weave the hand making; the watchful eye; expectations and dreams that bind a future draft from the merger of the craft with the design. I am grateful for the experience, the exchange of knowledge, by learning words in Nheengatu (native language), the hours of work shared with people so special and generous. 

When I stop in front of each object, I realize the Tucum fiber, adopted as raw material, has the tenacity and endurance of Gilda, Margarida, Suzana, Albertina, Maria de Jesus, Roberta, Elizabete, Maria Taurina, Geuza, Estela, Maria das Dores, José Garcia and Duda. There are artisans of an original Brazil. Those who are born by the Negro River boards and keep alive their traditions and ancestry and share this wealth in odd products with the seal of identity that draws attention from all over the world. I am proud to integrate a piece of that history.
A artesã Bete com o vaso Uambérawa, elaborado com fibra de Tucum.

Luminária Kuripako realizada pelo artesão José Garcia.

A folha de Uambé reproduzida na fruteira apresentada com orgulho pela artesã Estela.
Inspiração colhida na floresta para produtos com identidade local.